PROGRAMAÇÃO

CHAPLIN - O MUSICAL - ATÉ 29 DE JUL

Qui e Sex 21h, Sáb 17h e 21h e Dom 18h

A partir de R$ 37,50

Classificação: 14 anos

Chaplin, o Musical, protagonizado por Jarbas Homem de Mello, reestreia no Theatro Net São Paulo dia 17 de maio, quinta-feira, às 21 horas.

Terno, bengala, chapéu coco e um bigode robusto. Acrescente essas características a uma cena do cinema mudo. Quem vem logo à mente é Charlie Chaplin no papel de Carlitos, protagonista do filme “O Vagabundo”, lançado em 1915. Mais de um século se passou e Chaplin segue no imaginário popular. A partir de 17 de maio, o público brasileiro terá uma nova chance de ver Jarbas Homem de Mello dando vida a esse ícone da sétima arte com a reestreia de “Chaplin, o Musical”, que fica em cartaz no Theatro Net SP até 29 de julho.

“Acho que fizemos uma temporada curta da última vez e devíamos isso ao público. Encerramos as apresentações em 2015 com a casa lotada”, explica Jarbas, em meio a sua preparação para voltar ao papel: “É o desafio de sempre: apagar o personagem do trabalho anterior e começar a construir o Chaplin de novo”.

E bota desafio nisso. Afinal, Jarbas interpreta Charlie Chaplin dos 13 aos 82 anos, o que envolve um trabalho minucioso de preparação. “O desafio aqui é conseguir fazer essa curva dramática porque é a história de um homem contada com diversos timbres de voz, com diversos gestuais, com a coluna mais ereta, com a coluna mais curvada... E conseguir fazer isso de uma maneira muito verdadeira e crível para que o público consiga embarcar nessa história comigo”, conta o ator, que foi assistido por 80 mil pessoas na primeira temporada, em 2015.

Claudia Raia atua mais uma vez nos bastidores. Ao lado de Sandro Chaim, ela produz a versão brasileira do espetáculo, que ganhou o Prêmio Cenym como Melhor Musical e levou o Prêmio Bibi Ferreira de Melhor Cenografia e, na mesma premiação, foi indicado a Melhor Musical, Melhor Ator, Melhor Atriz Coadjuvante, Melhor Direção, Melhor Figurino, Melhor Versão e Melhor Musical por Voto Popular. “Sabíamos do sucesso, mas não podíamos imaginar que mais de dois anos depois o público ainda estivesse com a história que contamos tão presente. Ouvimos o apelo e a partir de 17 de maio ‘Chaplin, O Musical’ está de volta”, comemora Claudia.

A versão brasileira é assinada por Miguel Falabella e apresenta a trajetória de Charlie Chaplin desde sua infância pobre, em Londres, até o estrelato. Pessoas importantes na vida do personagem-título são levadas ao palco, como o irmão mais velho Sidney (Juan Alba), com quem tinha uma relação de cumplicidade; a mãe, Hannah (Naíma), talentosa cantora de teatro; Oona O’Neil (Myra Ruiz), sua quarta e última esposa; a colunista e crítica ferrenha Hedda Hooper (Paula Capovilla); Fred Karno (Julio Assad), empresário do Music Hall londrino; e Mack Sennett (Paulo Goulart Filho), fundador dos estúdios Keystone e responsável pela estreia de Chaplin no cinema.

Tornando-se Chaplin

Quem vê as fotos de Jarbas Homem de Mello caracterizado ao lado de imagens de Charlie Chaplin pode até ter um pouco de dificuldade para reconhecer de cara quem é quem. No palco, os trejeitos e a voz do ator, diretor e produtor inglês podem ser conferidos de perto pelo público. Para conseguir algo tão real, o brasileiro fez um mergulho profundo na vida do personagem que interpreta. Além de assistir aos filmes e ler sobre o artista, Jarbas fez aulas de circo e patinação e aprendeu a tocar violino.

Sua caracterização leva cerca de uma hora. Só para Jarbas, estão reservadas duas perucas, 20 bigodes e três bengalas. Tudo isso o ajuda na hora de dar vida a Chaplin desde a adolescência até a vida adulta. “É um personagem que começa muito jovem. Construir essa voz de uma pessoa jovem, o corpo, o gestual e levá-lo até os 82 anos acho que é a maior dificuldade”, pondera o ator brasileiro, que viu tanto trabalho e dedicação serem reconhecidos. Em 2015, além das críticas positivas a sua interpretação, ele ganhou o Prêmio QUEM de Melhor Ator de Teatro e foi indicado a Melhor Ator no Prêmio Bibi Ferreira. 

Para Jarbas, o recomeço do mergulho na vida e obra de Chaplin foi bem antes de os ensaios começarem, em abril, mês de aniversário do ícone do cinema mudo. Durante sua viagem a Los Angeles, nos Estados Unidos, em janeiro, ele teve a chance de conhecer o Ace Hotel Downtown. Construído em 1927, era ali o teatro da United Artists, companhia fundada por Charlie Chaplin com Mary Pickford, Douglas Fairbanks e D.W. Griffith. “Fiquei todo arrepiado quando entrei. É um lugar muito lindo e tem muitas relíquias do Chaplin lá, como uma câmera que ele usava para filmar. Tem toda história das coisas que aconteciam ali dentro. Foi tudo muito inspirador”, relembra.